domingo, 23 de fevereiro de 2014

Resenha #5- A Culpa é das Estrlelas

Olá amigos leitores. 
Hoje vim trazer a vocês mais uma resenha, a respeito de um livro que é muito comentado, e ouso até dizer que muitos o transformaram em modinha.
Adivinhem: O livro fala de uma garota que tem câncer e anda com um carrinho de oxigênio chamado Felipe. Ela se apaixona por um ex jogador de basquete que só tem uma perna. os dois se conhecem em um grupo de apoio e possuem um amigo cego em comum.
Quem disse A Culpa é das Estrelas, parabéns, acertou na mosca. kkkkkk

Sinopse

A Culpa é das Estrelas

A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.
Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar.

Minha Opinião

Spoiler

Spoiler

Spoiler

Spoiler


Garota com câncer menino de uma perna só que superou o câncer + menino descobre que o câncer voltou + amigo cego + carrinho de oxigênio eu chorando feito uma retardada.

Antes de ler o livro, eu esperava que a Hazel fosse aquelas garotas doentes que espalham arco-iris pelo mundo. Me enganei completamente. Ela é durona e realista, mas não é por mau, acho que é para preparar a todos para a morte dela. 
Ai eu pensei, todo mundo que leu esse livro chorou e a protagonista tem câncer, então ela vai morrer. Me enganei de novo.
Quando a Hazel conhece o Gus e acha ele bonito com aquele jeito descontraído e sua metáfora, não achei que eles fosse se apaixonar tão depressa. Achei que aconteceu rápido demais. 
Porém os Okays são muito criativos kkk.
Vocês sabem que tenho sérios problemas com personagens perfeitos demais, por isso não tive nenhum problema com o livro. Todos os personagens possuem defeitos.
Sim, queridas, o Gus possui defeitos. 
Ele é irônico e viciado em metáfora (cigarro)
Eu só não esperei a morte do Gus. Fiquei tão decepcionada e sem palavras. Eu tive que parar o livro nessa parte e fiquei pensando que o autor fosse falar que era zoeira, mas não, Gus morre, ponto final.
A escrita do livro é bem simples, qualquer um pode compreender. Então se a pessoa nunca leu nenhum livro na vida e resolver ler A.C.E.D.E. não deve surpreender-se ao entender o livro e nem sair por ai falando que é culto, pois o livro é  de fácil compreensão.
Esperava um pouco mais da história (não joguem pedras em mim, please). Acontece que todo mundo fala que o livro é de tirar o folego, chorar do começo ao fim, etc e tal, mas eu esperava chorar muito mais. A história é simples, em uma cidade simples, com personagens simples, um carrinho de oxigeno simples, e muito mais coisas simples.
A história não me marcou, o que realmente me marcou foram os personagens.
Em seu pequeno Infinito, Gus mostrou a Hazel que a realidade não precisa ser tão cinza e juntos eles mostram para o Isaac (o amigo cego deles), que o mundo dele não precisa ser negro. 
Gostei da simplicidade da história, mas ainda não acredito que o João Verde levou 12 anos para escreve-la. Vai ver que ele escreveu uma palavra por dia durante todo esse tempo.
Em uma escala de 0 a 10 e dou 8 para o livro, pois as pessoas deram crédito demais para ele, e eu achei que faltou alguma coisa. Como eu disse: os personagens marcaram, mas a história não.
É isso ai. Por favor, não me fuzilem por não dar 10 para o livro, mas fui sincera.
Se vocês tem uma opinião diferente, ou querem desabafar sobre o livro, comentem aqui.
Bjokas